Atualizado em 9 de dezembro | 2020 por SAS

A educação da sociedade digital do século XXI não consiste,  apenas, na aquisição de conhecimentos cognitivos. Cada vez mais, as competências socioemocionais têm sido priorizadas, com o objetivo de preparar os alunos para os desafios do mundo atual. 

As rápidas transformações tecnológicas, culturais e de valores da sociedade estão trazendo novas demandas, que exigem o domínio de competências socioemocionais, como ética, resiliência e respeito às diferenças. 

Portanto, considerando essa necessidade, entenda melhor os objetivos das competências socioemocionais e quais as mais utilizadas no ambiente escolar. Continue com a leitura.

Qual a importância das competências socioemocionais para o ensino ?

Durante o processo de ensino e aprendizagem, os alunos são levados a utilizar, de forma constante, as competências socioemocionais. Isso porque aprender é um processo interativo, que depende da relação saudável entre alunos, professores e toda a comunidade escolar.  

Isso significa que o desenvolvimento de habilidades cognitivas não ocorre separadamente das competências socioemocionais, e, sim, de forma integrada. É papel da escola e dos educadores oferecerem oportunidades que possibilitem essa integração,  por meio de boas práticas pedagógicas

Além disso, as competências socioemocionais estão contempladas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que orienta a inclusão da educação emocional em todos os currículos escolares. 

E para os alunos?

As competências socioemocionais são exigências da BNCC e funcionam como  potencializadoras do ensino.

As competências socioemocionais ensinam estratégias eficazes de gerenciamento das emoções aos estudantes, o que contribui para que possam oferecer o melhor de si mesmos e desenvolver plenamente as suas vocações e talentos. 

As competências socioemocionais são, além disso, super importantes para auxiliar os estudantes a superar limitações e obstáculos.

Estudos mostram que indivíduos  bem-sucedidos profissionalmente, ou que foram capazes de superar tragédias pessoais e grandes desafios, possuem competências socioemocionais bem desenvolvidas, como a resiliência.  

Até no mercado de trabalho, as chamadas soft skills (habilidades comportamentais) já são mais importantes que as hard skills (habilidades técnicas), dependendo do cargo pretendido. Ou seja, hoje, as competências socioemocionais estão diretamente associadas à educação de qualidade e devem estar no centro do ensino. 

Por que estar alinhado com a BNCC?

A BNCC representa um passo muito importante para a melhorar a educação no país.  Essa contribuição não é, apenas, em relação às diretrizes que orientam a Educação Básica no Brasil e as práticas pedagógicas alinhadas às demandas tecnológicas

Com a exigência da inserção das competências socioemocionais nos currículos escolares, a BNCC contribui para o desenvolvimento social do país, por meio da formação de indivíduos dotados de  mais responsabilidade e empatia

O documento traz uma dimensão maior para o significado de formar os alunos, estimulando escolas e professores a enxergá-los como cidadãos que precisam desenvolver as competências do século XXI, garantindo o futuro das próximas gerações

Veja 10 competências socioemocionais para a sala de aula 

Para entender melhor os objetivos das competências socioemocionais na educação, é importante conhecê-las. Portanto, listamos 10 competências socioemocionais da BNCC para você implementar em suas aulas: 

  1. Conhecimento

Diz respeito à valorização e utilização do conhecimento construído historicamente sobre o mundo físico, social, cultural e digital. Essa competência refere-se, ainda, à capacidade de utilizar essa bagagem para explicar a realidade e continuar aprendendo, contribuindo com o desenvolvimento da sociedade. 

  1. Comunicação

Relaciona-se com a capacidade do aluno de utilizar diferentes linguagens (oral, corporal, visual, sonora e digital) no campo dos saberes da ciência, das artes e da tecnologia,  para se expressar e trocar informações. 

Ela ainda enfatiza a importância de que essa comunicação faça sentido em diferentes contextos, sendo restabelecida a todos os envolvidos.  

  1. Cultura digital

Na era digital, essa competência expressa a necessidade do estudante ser capaz de compreender, utilizar e criar Tecnologias de Informação e Comunicação (Tics), com responsabilidade, senso crítico e de maneira a contribuir para si mesmo e a sociedade. 

  1. Argumentação

Essa competência estimula o aluno a argumentar com embasamento em fatos e fontes de informação confiáveis, a fim de formular, negociar, defender ideias e pontos de vista. Ela encoraja, também, que essa argumentação priorize a promoção dos direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável

  1. Repertório cultural

Essa competência tem como foco a necessidade do desenvolvimento de senso estético, possibilitando valorizar e reconhecer as manifestações artísticas e culturais e  levando em consideração as características regionais e mundiais de cada uma. 

  1. Empatia e cooperação

Essas são habilidades que permitem ao indivíduo resolver conflitos por meio do diálogo e respeito às diferenças, e habilitam o ser humano a valorizar e cooperar com grupos distintos, independentemente das suas crenças e valores. 

  1. Trabalho e projeto de vida

Nessa competência, se fala sobre a capacidade de apropriação de conhecimentos e experiências que permitam  compreender as relações do mundo do trabalho, com toda diversidade cultural; e tomar decisões, nesse contexto, alinhadas ao projeto de vida profissional e social.

  1. Responsabilidade e cidadania

Aqui, é orientado agir com responsabilidade, autonomia, resiliência e flexibilidade em relação ao coletivo, e tomar decisões embasadas por princípios éticos, solidários e de cidadania. 

  1. Autoconhecimento e autocuidado 


Reforça a necessidade do alunos em conhecer suas necessidades físicas, emocionais, reconhecendo, em paralelo, as emoções dos outros, para estabelecer e manter relações saudáveis. 

  1.  Pensamento científico, crítico e criativo

Estabelecer o exercício constante da curiosidade intelectual e utilizar as abordagens adequadas das ciências para investigar e refletir, a fim de gerar hipóteses e criar soluções, com base nas diferentes áreas, inclusive, tecnológicas. 

Dessa forma, é possível observar que alguns tópicos muito importantes são trabalhados dentro das competências socioemocionais, como:  

Empatia

É a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa e poder compreender os sentimentos dela, de maneira racional e subjetiva. 

Autoestima

É o julgamento que cada um faz de si, em maior ou menor grau, que diz respeito ao quanto o indivíduo se aprecia ou não. A falta de autoestima é um fator que prejudica a capacidade de vencer desafios, por exemplo. 

Ética

Ter ética é a habilidade de avaliar a sua conduta e dos outros, com base no conjunto de valores de uma sociedade e no que é definido como certo e errado nas diversas culturas existentes.   

Curiosidade

A curiosidade leva o alunos a estarem sempre dispostos a aprender e a formular hipóteses para resolver questões racionais e subjetivas. Também é uma característica muito importante para desenvolver a criatividade. 

Autonomia

Diz respeito à capacidade de tomar decisões por si mesmo, sem a ajuda de terceiros. 

Criatividade

Ninguém nasce criativo, essa é uma competência que precisa ser desenvolvida na escola e que diz respeito à habilidade de inventar, inovar e criar ferramentas para se adaptar ao seu meio, e melhorar a vida das pessoas. 

Cooperação

É a capacidade de ser útil no grupo do qual o indivíduo participa, de ajudar, cooperando com as atividades mútuas e contribuindo para que todos atinjam objetivos em comum ou individuais. 

Disciplina

É a capacidade de manter o foco e a organização necessária para a execução de tarefas, para aprender novos conteúdos e para seguir as regras estabelecidas em um determinado ambiente.

Assertividade

É ter segurança para expressar e defender opiniões, de maneira objetiva, clara, coesa e com empatia aos demais indivíduos.

Resiliência 

O indivíduo resiliente consegue se adaptar e contornar situações estressantes de forma saudável, sabendo lidar com frustrações e possuindo disposição para superar os obstáculos e limitações. 

As competências socioemocionais conforme a etapa de aprendizagem

As diretrizes gerais da BNCC trabalham, diversas vezes, questões que priorizam o protagonismo do aluno e o autodesenvolvimento.

Os parâmetros gerais da BNCC, previstos para  Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, são os mesmos. 

A diferença é que a escola e educadores devem fazer as adaptações necessárias, para que o desenvolvimentos das habilidades cognitivas e socioemocionais sejam compatíveis com cada fase do desenvolvimento do aluno. Isso  deve ocorrer com a adequação do currículo, revisão dos materiais didáticos e formação de professores.  

O ensino das competências socioemocionais deve ser integrado ao processo de aprendizagem de todas as etapas, conforme segue:. 

  • Na Educação Infantil

Nesta etapa, a BNCC dá ênfase aos direitos de aprendizagem e desenvolvimento da criança (conviver; brincar; participar; explorar;  expressar e  conhecer-se), baseados no eixos estruturantes de interações e brincadeiras, do ensino infantil. 

  • No Ensino Fundamental

Já no Ensino Fundamental, o foco são as áreas de conhecimento (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas), assim como os objetivos dos componentes curriculares e as habilidades que o estudante deve desenvolver.

Nessa etapa, é essencial o desenvolvimento da autonomia e do protagonismo do aluno em seu processo de aprendizagem. 

  • No Ensino Médio

Além de mudanças curriculares e de carga horária, o novo Ensino Médio trouxe alterações significativas para as experiências cognitivas e socioemocionais dos alunos.

Entre as mudanças, estão: a ampliação do protagonismo dos jovens, da sua visão crítica do mundo; e o desenvolvimento do senso de autonomia e responsabilidade para tomar decisões que impactam a sociedade e o mundo do trabalho. 

Dicas para aplicar as competências socioemocionais

Abaixo, conheça alguns caminhos para aplicar as competências socioemocionais no dia a dia escolar:

  • Acolhimento inicial

A capacidade de escuta é fundamental na relação entre professores e aluno. Ao começar a aula com esse acolhimento, é possível estabelecer um ambiente no qual os alunos se sintam confiantes para expor sentimentos e ideias. 

Dessa forma, eles são incentivados a acolherem uns aos outros e a fortalecer vínculos afetivos e saudáveis.  

  • Debates

Discuta com os alunos temas da atualidade, por exemplo, as eleições, a pandemia e as mudanças climáticas. Incentive os alunos a expressarem suas opiniões e a argumentar seus pontos de vista. Aproveite esse momento para trabalhar a capacidade de ouvir e dialogar em grupo.

  • Design thinking

O Design Thinking aplicado na educação utiliza mapas mentais que auxiliam os alunos a refletirem e construírem novas ideias em torno de um projeto ou assunto. A metodologia estimula a colaboração, a empatia e a proatividade nos estudantes.

  • Cultura maker

Essa metodologia estimula a autonomia dos alunos e a criatividade, por meio de projetos feitos pelas mãos dos educadores.  A proposta incentiva a busca de soluções de problemas em grupo, o trabalho em equipe e a cooperação.

Gostou de saber mais sobre competências socioemocionais? Então, saiba como o SAS pode ajudar a sua escola a fazer um planejamento estratégico eficaz, capaz de auxiliar na missão de transformar pessoas por meio da Educação de Excelência?

Clique aqui e fale com um de nossos consultores.

Leia também: