Atualizado em 16 de julho | 2021 por SAS

Quais são os livros didáticos do Ensino Médio que a sua escola utiliza? Eles possuem uma abordagem interdisciplinar? Propõem atividades que podem ser aplicadas em aulas remotas? Levam em conta a formação do aluno enquanto cidadão? Estão adaptados às normas do Novo Ensino Médio?

Refletir sobre essas questões é o primeiro passo para escolher bons livros didáticos no Ensino Médio, que contribuam, tanto com o trabalho do professor, quanto com a aprendizagem dos estudantes. Afinal de contas, esta é uma importante ferramenta educacional e serve como guia para o processo pedagógico dentro da sala de aula. 

Acompanhe aqui alguns insights e dicas para fazer uma escolha assertiva de livros didáticos para o Ensino Médio. Boa leitura!

Livros didáticos: Ensino Médio e as competências socioemocionais

Os livros didáticos no Ensino Médio podem auxiliar no acolhimento socioemocional dos estudantes nas aulas remotas.

Durante os três anos que compõem o Ensino Médio, é papel da escola preparar o aluno para o Enem e as demais provas de vestibular. Contudo, isso é apenas parte do processo. De acordo com a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), o adolescente também precisa desenvolver habilidades cognitivas.

Sendo assim, ele deve aprender a mediar conflitos, solucionar problemas, lidar com as próprias emoções, trabalhar de modo colaborativo, etc. Tudo isso engloba as chamadas competências socioemocionais. Algo de extrema importância para a vida pessoal e profissional desses jovens. 

As competências socioemocionais tornam-se ainda mais relevantes dentro do cenário de desafios inesperados, como o que vivemos atualmente com a pandemia. Afinal, de um momento para o outro, os alunos precisaram se adaptar a aulas on-line, situações de incerteza, vestibulares adiados, crise econômica, distância dos colegas, entre outras condições estressantes.

Consequentemente, muitas inseguranças surgiram. Então, transmitir o conteúdo acadêmico passa a não ser o único objetivo das aulas. Professores e a equipe de gestão precisam acolher o estudante e ajudá-lo a lidar com os desafios emocionais típicos desse momento.

No Ensino Médio, os livros didáticos podem ser uma ferramenta facilitadora desse processo de acolhimento, trazendo atividades focadas em competências socioemocionais, que ajudarão, até mesmo, no acolhimento durante o retorno das aulas presenciais

As atividades podem ser desenvolvidas por meio de projetos ou dinâmicas pontuais, a interação entre os alunos nesse momento é bem-vinda, pois gera um ambiente acolhedor, no qual os próprios estudantes podem dar suporte uns aos outros.Nesse sentido, os livros didáticos no Ensino Médio funcionam como um guia para o professor montar seus planos de aulas, sem precisar criar novas adaptações. Caso você queira saber mais sobre o acolhimento socioemocional, temos um material completo sobre o assunto, clique no banner para conhecê-lo.

Livros didáticos: Ensino Médio e a prática escolar

A pandemia trouxe à tona várias mudanças, que tendem a permanecer, incluindo as aulas remotas e o ensino híbrido. Outro desafio que as escolas também estão enfrentando é a adaptação ao currículo do Novo Ensino Médio, que deve ser implantado até 2022.

E no meio de todas essas transformações, qual o papel do livro didático no Ensino Médio? Bem, ele é a ferramenta, como já mencionamos, que vai ajudar o docente a conduzir aulas que despertem o interesse dos estudantes e prepará-los para as demandas do mercado de trabalho e para o ENEM, mesmo nesses cenários diversos.

Além do mais, com as modificações do currículo, também entra em cena a questão do Projeto de Vida. Este é outro assunto que pode ser trabalhado em sala de aula, visando estimular o autoconhecimento do estudante e a construção dos seus objetivos pessoais e profissionais.

Desse modo, os livros didáticos no Ensino Médio devem ser escolhidos pensando também na abordagem de conteúdos e atividades voltados ao desenvolvimento do seu Projeto de Vida.  

Nesse novo cenário, a escola precisa avaliar com atenção os livros que vai adquirir. É importante escolher materiais que atendam a essas necessidades emergentes, facilitando o trabalho pedagógico dos professores e a educação do adolescente.

Livros didáticos e o Novo Ensino Médio

Livros didáticos: Ensino Médio e os seus desafios.

O principal aspecto curricular que muda no Novo Ensino Médio é que as disciplinas passam a ser agrupadas em áreas do conhecimento: linguagens, ciências da natureza, ciências humanas e matemática. Ou seja, deixa de valer aquela ideia segmentada em que, por exemplo, o aluno tem aula de física às 9h, química às 10h e biologia às 11h. 

Agora, os assuntos conversam entre si. Isso significa que os conteúdos passam a ser ensinados de forma interdisciplinar. Assim, a instituição de ensino precisa investir em livros didáticos que foquem nessa integração.

Além do mais, o BNCC recomenda que os conteúdos sejam abordados por meio de projetos. Assim, é mais fácil trabalhar de forma prática determinado tema, promover debates entre os adolescentes, desenvolver o senso crítico e as competências socioemocionais.

Alguns exemplos de projetos que os livros didáticos do Novo Ensino Médio podem trazer são:

  • Atividade de teatro-fórum para debater problemas sociais;
  • Criação de uma lâmpada de Moser para trabalhar problemas de matemática e física;
  • Desenvolvimento de um livro de contos para expressar as inseguranças sobre o futuro e desenvolver conteúdos de português;
  • Criação de um aplicativo para conscientização ambiental.

Além disso, no site do Programa Nacional de Livro e Material Didático (PNLD) é possível acessar um guia com várias obras voltadas para o Ensino Médio que seguem esse modelo novo.

Quer dicas de outras atividades interdisciplinares que podem ser realizadas na prática escolar? Preparamos um material exclusivo com várias ideias criativas, clique aqui e confira. 

Agora, se você quer saber mais sobre as adaptações da sua escola ao modelo do Novo Ensino Médio, clique no banner e acesse o nosso guia completo.

Livros didáticos no Ensino Médio e a gamificação

Você, provavelmente, já sabe que gamificação é a metodologia que trabalha o uso dos jogos dentro de um contexto de aprendizagem. Inclusive, nós já apresentamos os sete passos para implementar essa ideia na sua escola, confira clicando aqui.

Engana-se quem pensa que a gamificação é apenas uma ferramenta para as modalidades da Educação Infantil e Fundamental. Esse tipo de abordagem é ótima para engajar os estudantes do Ensino Médio, que estão sempre conectados e valorizam a tecnologia, facilitando a aquisição do conhecimento.

Os games são ferramentas importantes no cenário do ensino remoto ou híbrido, pois podem ser jogados on-line e servem como fator motivacional para os adolescentes que estão desestimulados com a escola.

O SAS Educação, por exemplo, tem uma ferramenta gamificada chamada Eureka!, que foi totalmente criada com o propósito de ser um game didático. Assim, o Eureka! traz desafios, cenários dinâmicos e uma trilha de aprendizagem que se desenvolve de modo divertido.

Mas, o que tudo isso tem a ver com os livros didáticos? Bem, um processo pedagógico deve combinar os games com a base que um bom livro didático tem a oferecer: conteúdo aprofundado, exercícios, propostas de debate, sugestões de projetos.

Sendo assim, seguir apenas o livro nas aulas remotas pode não instigar tanto os alunos como um jogo on-line. Todavia, também não é possível focar apenas na gamificação. É preciso unir essas duas abordagens.

O melhor é que o material didático voltado ao Novo Ensino Médio seja mais dinâmico, permitindo facilmente essa combinação de recursos pedagógicos.

Aqui no SAS, por exemplo, editamos livros seguindo todas as novas orientações da BNCC, e os conteúdos apresentados já têm material de apoio tecnológico. O que faz com que a integração de ferramentas seja prática para aluno e professor.

Interdisciplinaridade sempre!

Os livros didáticos no Ensino Médio podem ajudar o aluno a realizar o seu Projeto de Vida.

Como vimos até aqui, o tema de ordem dos livros didáticos para o Ensino Médio é interdisciplinaridade. Ela aparece como recomendação da BNCC e é o formato cobrado na prova do Enem e pela maioria dos vestibulares da atualidade.

Contudo, por que aprender de modo interdisciplinar é tão importante? Porque dessa maneira o estudante consegue ver sentido naquilo que estuda, já que um assunto relaciona-se com outro, criando conexões com o cotidiano da comunidade. Isso aumenta o interesse e a retenção do estudante. 

E os livros didáticos que apresentam os conteúdos seguindo essa lógica oferecem  maiores possibilidades para os professores criarem aulas dinâmicas e participativas. Além do mais, os alunos conseguem fixar o conhecimento de modo mais efetivo e colocá-lo em prática dentro e fora da escola.

Também vale ressaltar que, ao ter contato frequente com aulas interdisciplinares, o aluno estará mais preparado para lidar com as questões do Enem. Assim, aumenta a probabilidade dele se sair bem no exame.

Agora você entende melhor a importância de trabalhar com bons livros didáticos no Ensino Médio, principalmente nesse cenário de pandemia e levando em conta as transformações curriculares determinadas pela BNCC. Portanto, no próximo planejamento escolar, escolha materiais que estejam alinhados com esse panorama. Se precisar de ajuda com livros didáticos de Ensino Médio exclusivos e personalizados, conte com o SAS. A nossa plataforma possui diversas soluções pedagógicas para ajudar a sua escola. Saiba mais informações clicando no banner e entrando em contato com um de nossos consultores.