Atualizado em 14 de março | 2022 por SAS

Alguns dos seus alunos apresentam problemas em seguir instruções, ler ou realizar cálculos simples frequentemente? Estes podem ser sintomas de algum tipo de dificuldade de aprendizagem. 

A dificuldade de aprendizagem não os impede de adquirir novos conhecimentos, nem significa que eles sejam menos capazes, apenas requer uma atenção especial da equipe escolar. Por isso, é importante os professores e os gestores saberem como identificar e agir diante dessa situação.

Pensando nisso, o SAS Plataforma de Educação ajudará você a entender o que é dificuldade de aprendizagem e quais os seus principais tipos. Aprenda a identificá-la entre crianças e adolescentes e saiba como agir nesses casos, vem!

É normal ter dificuldade para aprender?

Qualquer estudante pode demonstrar alguma dificuldade de aprendizagem, mas é preciso ficar atento aos sinais.

Aprender coisas novas nem sempre é fácil. Por isso, é normal que alguns estudantes apresentem mais dificuldade de aprendizagem na aquisição de conteúdos do que outros

As causas da dificuldade de aprendizagem são muitas e podem ocorrer por diversas razões, incluindo:

Toda dificuldade de aprendizagem exige atenção da equipe pedagógica. Muitas vezes, os profissionais precisam buscar novas maneiras de abordar um conteúdo ou usar técnicas específicas para facilitar o processo de assimilação.

Ações mais pontuais tendem a resolver a maior parte dos casos. Entretanto, se o aluno apresentar um transtorno de aprendizagem, é necessário realizar intervenções mais amplas. 

Afinal, o transtorno ou distúrbio de aprendizagem é um problema clínico, muitas vezes decorrente de questões genéticas ou neurológicas. Nesses casos, a escola precisa ter o apoio de uma equipe de profissionais especializados que possam auxiliar o estudante e os agentes escolares no processo educativo. 

Independentemente da situação, é papel da instituição de ensino inclusiva ouvir o aluno e criar uma rede de apoio para ajudá-lo a superar a sua dificuldade de aprendizagem. 

Quais são as principais dificuldades de aprendizagem?

Existem muitos tipos de dificuldade de aprendizagem e o SAS Educação ajuda você a entender algum deles!

Os estudantes podem apresentar diferentes tipos de dificuldade de aprendizagem, incluindo falta de atenção, problemas para ler, escrever ou realizar contas, etc. 

Quando essas questões aparecem recorrentemente e não melhoram com mudanças de abordagem ou de metodologia, temos um distúrbio de aprendizagem. Aqui selecionamos os mais comuns:

Discalculia

A discalculia é um distúrbio que afeta a maneira com a qual o aluno lida com números. Geralmente, ela gera dificuldades para memorizar os algarismos, identificar sinais de operações matemáticas e organizar fatos numéricos. 

Dislexia

A dislexia é um dos transtornos de aprendizagem mais conhecidos. Ela tende a ter causas genéticas e está relacionada à dificuldade de leitura. Neste caso, a criança não compreende palavras e ideias, nem reconhece letras e apresenta baixa fluência ou velocidade na hora de ler textos. 

Disgrafia

A disgrafia relaciona-se a problemas para escrever. Entre as principais dificuldades estão erros recorrentes de ortografia, inversão e omissão de letras, grafia confusa ou ilegível, colocação de palavras sem coerência no texto. 

Dispraxia

A dispraxia é um distúrbio relacionado a problemas motores e ligados à habilidade de coordenação

O estudante com dispraxia pode ter, por exemplo, dificuldade para escrever (no caso, para desenhar as letras em si), para cortar um pedaço de papel, segurar um lápis, amarrar o cadarço etc. 

Afasia

O aluno com afasia apresenta dificuldades em relação à linguagem de forma geral, gerando problemas de comunicação

O estudante com afasia não consegue compreender ou utilizar adequadamente a língua falada, resultando em prejuízos no processo de organização das ideias e na escolha das palavras certas para verbalizar algo. 

Os sintomas mais evidentes de quem possui afasia incluem: dificuldade para recontar uma história que acabou de ouvir, problemas para entender o significado das palavras e fluência da fala. 

Disortografia

A disortografia é um distúrbio relacionado à linguagem escrita. Ela parece com a disgrafia, contudo apresenta sintomas mais intensos e abrangentes. 

A disortografia apresenta dificuldades de interligar ideias na hora de escrever uma redação, gerando falta de coesão no texto. Além disso, ela também causa erros regulares de ortografia, troca de letras e falta de vontade de escrever.   

Dislalia

A dislalia está relacionada diretamente à fala. Sendo assim, as crianças e os adolescentes que apresentam esse tipo de distúrbio tendem a ter dificuldade para pronunciar palavras. Em geral, eles trocam os fonemas das letras ou reproduzem sons errados.

Muitas vezes, a dislalia é ocasionada por problemas físicos, decorrentes da má-formação do palato, flacidez na língua ou até mesmo da fissura causada pelo lábio leporino. Além disso, o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e os transtornos do espectro autista também tendem a resultar em dificuldade de aprendizagem. Afinal, eles prejudicam a concentração das crianças e afetam como o cérebro assimila as informações.

Quais são os sinais de dificuldade de aprendizagem?

Antes de saber como relatar dificuldades de aprendizagem aos pais ou para outros profissionais, professores e gestores precisam identificar esses problemas. 

Por estarem em contato direto com os estudantes, é mais fácil para os profissionais da escola perceberem alterações no desenvolvimento educacional. 

Porém, algumas vezes, a dificuldade de aprendizagem apresentada é sutil ou não chama atenção de imediato, contribuindo para que as ações para solucioná-las demorem a serem desenvolvidas. Consequentemente, o desempenho do aluno começa a decair. 

Ao não conseguir acompanhar a turma, a pessoa pode sentir-se desmotivada para estudar, intensificando a dificuldade de aprendizagem

Portanto, você precisa ficar atento aos principais sinais ou sintomas desse problema, como: 

  • ansiedade;
  • demora para concluir atividades propostas;
  • falta de foco;
  • agressividade;
  • falta de comunicação com os colegas e o professor;
  • problemas para entender instruções;
  • irresponsabilidade.

Além destes indicativos, também é possível observar sinais específicos que variam dependendo do nível de escolarização do aluno. Para facilitar sua compreensão, O SAS listou alguns sintomas de dificuldade de aprendizagem em crianças não alfabetizadas e alfabetizadas, dá uma olhada:

Crianças na Educação Infantil ou não alfabetizadas

Nesta faixa etária, observe se há:

  • problemas no desenvolvimento da fala ou demora para começar a falar;
  • dificuldade para rimar palavras;
  • problemas de coordenação motora;
  • dificuldade para memorizar cores, formas, letras e números. 

Crianças no Ensino Fundamental ou alfabetizadas

Quando o aluno é um pouco maior e já está em processo de alfabetização, é preciso observar as dificuldades em:

  • decorar informações ou seguir instruções;
  • manter a organização das tarefas;
  • entender ou assimilar orientações verbais;
  • ler e soletrar;
  • escrever com clareza;
  • realizar cálculos matemáticos;
  • finalizar as tarefas de casa.

Quais profissionais podem diagnosticar um transtorno de aprendizagem?

A dificuldade de aprendizagem não é um quadro clínico, porém com a persistência dos sintomas é necessário ajuda profissional especializada para diagnosticar o estudante.

Alunos com transtornos de aprendizagem possuem um problema clínico, logo ações exclusivamente educacionais (mudança de metodologia ou novas abordagens pedagógicas) não vão resolver a situação. 

Nestes casos, é importante que os professores e as famílias busquem ajuda de profissionais especializados, como neurologistas, psiquiatras, psicopedagogos, fonoaudiólogos e psicólogos. Eles realizarão avaliações próprias para diagnosticar algum tipo de transtorno.

Essa etapa de avaliação é indispensável para o bem-estar da criança e do adolescente. Afinal, muitos tratamentos incluem o uso de medicações, e uma análise superficial poderia indicar o uso desnecessário de remédios ou prescrevê-los na dosagem incorreta. 

Como trabalhar com crianças que apresentam dificuldade ou transtorno de aprendizagem?

Caso o estudante seja diagnosticado com algum distúrbio de aprendizagem, é papel da escola acolhê-lo, proporcionando uma educação inclusiva.  

Crie um ambiente seguro e tolerante, efetuando ajustes na estrutura e na metodologia de ensino para trabalhar a dificuldade de aprendizagem. Conversar com as famílias e estar aberto a ouvir queixas, seja dos estudantes ou dos pais, também é essencial. 

Além disso, professores e gestores precisam integrar a criança ou o adolescente na comunidade escolar, evitando o isolamento e a discriminação social.

A instituição de ensino também pode investir em ferramentas tecnológicas para dinamizar o processo de aprendizagem e ajudar o jovem a superar suas próprias dificuldades. 

Outras ações importantes são:

  • ajudar o estudante a organizar sua rotina de aprendizagem;
  • ensiná-lo a lidar com conflitos;
  • criar um ambiente de escuta ativa para os alunos expressarem suas emoções;
  • trabalhar atividades que desenvolvam a autoestima e autoconfiança; 
  • envolver a família no processo de aprendizagem;
  • oferecer aulas de reforço no contraturno. 

Conte com o SAS!

Entender o que é dificuldade de aprendizagem é responsabilidade de toda escola. Afinal, isso contribui para um ensino humanizado, pois, com as ações necessárias, o processo de ensino e aprendizagem se torna mais eficiente e acolhedor.

O SAS Plataforma de Educação sabe disso e está sempre ao lado das instituições para orientá-las e ajudá-las a oferecer uma educação cada vez com mais qualidade. 

Por isso, contamos com consultores pedagógicos e ferramentas tecnológicas para promover um ensino inclusivo, além de cursos de formação continuada para professores e gestores. 

Venha ser uma escola parceira do SAS. Converse agora mesmo com a nossa equipe e fique por dentro de todas as soluções disponíveis para sua instituição escolar!