Atualizado em 3 de setembro | 2021 por SAS

Aprender a lidar com as próprias emoções, descobrir novas formas de se relacionar e de superar obstáculos nunca foi tão necessário quanto na pandemia, e os aprendizados continuarão importantes após esse período. Com isso em mente, não seria ótimo sua escola trazer o socioemocional em temas para trabalhar com as famílias dos alunos?

Através dos assuntos abordados, você consegue proporcionar acolhimento e criar conexão com as pessoas. Isso é importante em qualquer situação, mas torna-se essencial nesse momento atípico e durante o processo de retorno às aulas presenciais.

Para ajudar a sua escola nesse momento, traremos algumas dicas de temas para trabalhar com famílias e, até mesmo, com os próprios estudantes. Acompanhe!

Educação socioemocional: uma habilidade da BNCC

A educação socioemocional é uma habilidade da BNCC, por isso é importante trazê-la com outros temas para trabalhar com famílias.

A educação socioemocional envolve o aprendizado e o desenvolvimento de habilidades comportamentais para lidar consigo mesmo e com o resto da sociedade. Tais habilidades incluem empatia, paciência, autoconhecimento, autonomia, resiliência, criatividade, comunicação assertiva, entre outras.

Todas elas são importantes para o desenvolvimento dos estudantes enquanto cidadãos. Dessa maneira, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estruturou-as em dez competências que devem ser desenvolvidas durante a educação básica. 

Entretanto, para além de uma questão acadêmica, a educação socioemocional é ferramenta de apoio para gestores e professores. Em especial, para estabelecer uma rede de apoio entre estudantes, família e escola.

Afinal, a escola não está aí apenas para repassar conhecimentos cognitivos, mas também para acolher a comunidade.  

Por que trabalhar com a família?

A parceria das instituições de ensino com as famílias dos alunos é algo indispensável. Se você não tinha esta visão, com certeza mudou de opinião depois da pandemia e das aulas remotas, pois os familiares tornaram-se “auxiliares” dos professores nas atividades pedagógicas.

Com a fragilização gerada pela pandemia, a família pode ter inseguranças ligadas ao retorno das aulas presenciais. Portanto, esse é o momento de focar nos processos emocionais e interpessoais

Essa é a melhor maneira de fazer com que cada familiar perceba que não está sozinho e que a escola está pronta para apoiá-lo e escutar suas dúvidas.

Como trabalhar com a família?

No momento de trazer temas para trabalhar com famílias, as plataformas digitais podem ajudar na comunicação.

É possível trabalhar temas socioemocionais com as famílias de diversas maneiras. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de:

  • Conversas on-line: para entender as principais dores das famílias durante a pandemia e, assim, lidar melhor com os estudantes na sala de aula;
  • Postagem de conteúdos no blog da escola: temas sobre inteligência emocional e dicas de como melhorar a interação familiar podem ser bem-vindos;
  • Publicação nos canais de comunicação da escola (redes sociais, e-mail, site, etc): para atualizar a comunidade do que está sendo feito e proporcionar um retorno seguro às aulas presenciais;
  • Interações com gestores, coordenadores e professores: alinhar a equipe sobre o uso das plataformas LMS e como as famílias podem ajudar os alunos a utilizarem adequadamente a ferramenta;
  • Proporcionar um atendimento telefônico acolhedor: pensar em uma comunicação adequada e com informações bem explicadas sobre os processos da escola.

Aqui, estar aberto à comunicação é ponto chave para que o processo de interação entre escola e família ocorra de forma eficiente. Isso inclui lidar com críticas e sugestões.

Também é necessário investir em boas ferramentas tecnológicas, principalmente naquelas que facilitam o contato da gestão e dos professores com as famílias. Aposte nas plataformas de atendimento on-line para poder realizar reuniões ou encontros a distância. Escolha aquelas que são mais leves e não oferecem tantos problemas de conexão. Boas opções são o Zoom e o Google Meet.

Invista em sites e blogs com layout intuitivo, onde as informações são facilmente visualizadas e não deixe de atualizar os conteúdos.

Oferecer acesso gratuito a livros digitais ligados à inteligência emocional e a relacionamentos entre pais e filhos também é interessante. É possível fazer isso criando uma biblioteca virtual

Temas para trabalhar com família

Alguns temas para trabalhar com famílias também podem incluir os estudantes, para formar uma rede de apoio.

Chegou o momento de conferir, na prática, alguns temas para trabalhar com famílias. Aqui selecionamos 8 propostas simples, mas bem significativas para melhorar a parceria da escola com os pais dos estudantes.

1. Projeto de Vida do aluno

O Projeto de Vida é uma das diretrizes apresentadas na BNCC e tem o objetivo de ajudar o estudante a definir seus objetivos para o futuro.

Na hora de trabalhar o Projeto de Vida do estudante com as famílias, a escola pode gerar engajamento por meio de uma feira de profissões. Assim, cada um pode explicar como funciona sua atividade profissional e tirar dúvidas dos alunos. 

Essa é uma ótima forma de valorizar as famílias e desenvolver consciência crítica nos estudantes, ajudando-os a fazer escolhas mais responsáveis.    

2. Informações sobre o retorno seguro das aulas presenciais

A escola pode promover uma videoconferência ou uma live com as famílias para explicar os protocolos de segurança adotados para o retorno às aulas presenciais. Não se esqueça de deixar as informações visíveis também no site, nas redes sociais e em qualquer outro canal de comunicação.

Depois de transmitir as informações, é possível tirar dúvidas das famílias e pedir sugestões. É importante que as famílias se sintam envolvidas nos processos da escola de forma democrática. A ideia é que os protocolos de segurança sejam desenvolvidos de forma conjunta, valorizando a contribuição das famílias. 

3. Protagonismo da família na escola

Plantar, construir, costurar e cozinhar são temas para trabalhar com famílias que também podem agregar nas atividades escolares.

A família é a maior referência na vida de uma criança ou adolescente. Por isso, é importante colocá-la dentro do ambiente escolar.

Você pode verificar quais as habilidades específicas que as famílias possuem, por exemplo, cozinhar, costurar, dançar, fotografar, mexer bem em algum programa digital, fazer maquiagem, etc. A partir daí, organizar oficinas, até mesmo on-lines, para cada uma dessas atividades.

Isso, além de desenvolver o protagonismo familiar, também ajuda os estudantes a valorizarem seus familiares.

4. Autonomia do estudante

Uma das habilidades socioemocionais da BNCC relaciona-se à autonomia do estudante. Para isso, explique como as famílias podem incentivar esse processo de independência por meio de atividades cotidianas. Boas sugestões são:

  • Colocar os estudantes para participar do planejamento financeiro da casa;
  • Ensiná-los como fazer tarefas básicas, incluindo lavar roupa, lavar louça, preparar algumas comidas, fazer reparos de costura, etc. Lembrando que essas atividades podem ser realizadas tanto com as meninas, quanto com os meninos;
  • Explicar o que fazer em casos de acidentes gerais;
  • Deixar o filho responsável pela feira da semana, que pode ser feita por meio de aplicativos, e dar um limite de gastos para ser utilizado.

5. Direito à cultura

A gestão escolar pode organizar lives ou eventos digitais para explicar às famílias o que é cultura e abordar todas as nuances relacionadas a ela. Depois, explicar quais são os direitos culturais garantidos pela Constituição Federal. É válido falar também sobre o funcionamento do Vale Cultura, ofertado por muitas empresas.

Outros temas para trabalhar com famílias podem ser os debates sobre identidade cultural. Aqui é possível solicitar que alunos e familiares elaborem uma apresentação sobre o tema com base na história da própria família.  

Também é interessante conversar sobre cultura digital, que é uma das competências citadas na BNCC. Além disso, a escola pode promover eventos culturais abertos à comunidade, como exibição de filmes ou saraus de leitura.

6. Direito das crianças e dos adolescentes

Apesar de ser algo básico, grande parte da sociedade não conhece, de forma detalhada, os direitos das crianças e dos adolescentes. Então, promover esse debate é outro tema para trabalhar com famílias.

Fale sobre as responsabilidades das famílias, da comunidade e do Estado. A escola pode optar por debater os temas relacionados ao cotidano, como trabalho infantil, comunicação não violentae uso excessivo da internet.

7. Inclusão e diversidade

A nossa sociedade é diversa, sendo assim é indispensável saber respeitar o próximo e valorizar o diferente. Tudo isso aparece, principalmente, na competência nove da BNCC, que trata de empatia e cooperação.

Na hora de conversar sobre inclusão e diversidade com as famílias, vale a pena organizar palestras que tratem de temas relacionados à pessoa com deficiência,, racismo, bullying, dentre outros.

Promova também oficinas de interação entre as pessoas. Você pode, por exemplo, pedir para que cada participante traga fotos da sua família e montar um mural. Assim, todos poderão observar as variações existentes entre cada núcleo familiar.

Outra ação válida é promover oficinas de apoio emocional e criar gincanas em que todos precisam se ajudar para vencer alguma competição.

8. Rodas de trocas e experiências

Cada família tem uma dinâmica e história de vida própria. Então, que tal realizar eventos em que isso possa ser compartilhado?

Você pode criar, por exemplo, uma feira de culinária, em que cada pessoa apresenta um prato que representa sua família. Também pode fazer uma espécie de show de talentos ou a feira de profissões, como explicado anteriormente.

Outra possibilidade é realizar rodas de conversa sobre temas diversos. No cenário atual, é possível conversar sobre o período de quarentena, perguntar o que mais os afetou e também indagar sobre situações positivas vivenciadas é um bom começo.

Ideias para coordenador pedagógico

A coordenação pedagógica precisa ficar atenta aos temas para trabalhar com famílias, que também podem ser discutidos com os docentes e alunos.

Se você atua como coordenador pedagógico, saiba que deve acompanhar todas as atividades socioemocionais realizadas com as famílias.

A partir das observações feitas, analise o que pode ser modificado a nível de gestão e no processo das aulas para que a escola consiga oferecer um melhor acolhimento às famílias e alunos.

Para isso, converse com os professores e entenda quais as suas principais dificuldades atualmente. Pergunte como eles estão lidando com elas e como acreditam que a escola pode ajudá-los.

Caso julgue necessário, proponha mudanças no plano de aula e indique programas de capacitação continuada ou formações específicas que os ajudem a lidar com o cenário atual.

Fique de olho também nas principais queixas apontadas pelas famílias e apresente para a gestão soluções que possam minimizar ou acabar com esses problemas.

Não se esqueça de conversar com os próprios familiares para ouvir possíveis demandas individuais, entender qual postura eles esperam da escola e levantar em quais outros temas para trabalhar com famílias a escola pode investir. 

No vídeo abaixo, você confere mais informações sobre habilidades socioemocionais e como trabalhá-las.

Nesse momento de retorno às aulas presenciais, o mais importante não é ter ações perfeitas, mas acolher famílias e estudantes da melhor forma possível. Comece trabalhando com os temas que fizerem mais sentido dentro da realidade da escola onde atua. Teste diferentes formatos de abordagem e esteja pronto para ouvir, sejam críticas, sugestões ou elogios.

O SAS pode auxiliá-lo em todos esses processos. Afinal, possuímos em nossa plataforma  todo o suporte e canais de comunicação digital que facilitam a interação da instituição de ensino com as famílias dos alunos. Se quiser saber mais, clique no banner para conversar com um de nossos consultores!