Atualizado em 1 de julho | 2021 por SAS

A formação continuada é fundamental para o profissional que deseja se manter competitivo no mercado de trabalho. 

Para os professores, essa realidade não é diferente, pois, ao buscar mais conhecimento, o docente se mantém preparado para atender as demandas dos alunos e trabalhar contextos educacionais que surgem com o tempo. 

A formação continuada é elemento fundamental para o desenvolvimento saudável da escola.

Além disso, as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) mencionam a obrigatoriedade da formação continuada, ressaltando seus benefícios, tanto para a escola, quanto para o currículo do professor.

Se interessou e quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura! Neste artigo, você entenderá o conceito,  a importância, como implementar e muito mais. Confira!

O que é a formação continuada?

A formação continuada é um processo profissionalizante do professor, voltado ao aperfeiçoamento  dos seus saberes necessários para a sala de aula, tornando-o capaz de oferecer a qualidade de ensino esperada.

Com a informação e o conhecimento compartilhados de maneira bem mais ágil do que no passado, se manter atualizado é requisito indispensável para o profissional contemporâneo.

Nesse contexto, a escola deve oferecer espaço para que conexões e construções de saberes sejam efetivadas na realidade, a fim de guiar, também, o aluno no processo.

Portanto, a formação continuada auxilia o professor a potencializar suas práticas pedagógicas, para que ele conheça mais formas de apoiar os estudantes em sua jornada. Essa formação pode ser realizada após a formação inicial, desenvolvida no início do ano letivo.

Gatti (2008) afirma que muitas ações podem ser relacionadas ao termo “formação continuada”, tais como: congressos, cursos, reuniões pedagógicas, seminários, as variadas opções de formação na internet, entre outras opções.

Formação continuada e as diretrizes escolares

A formação continuada beneficia um amplo grupo de pessoas, como professores, gestores e alunos.

É extremamente importante que os professores contem com uma formação continuada, tanto para a melhoria no ensino, quanto para estarem alinhados às diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica (DCN) que tratam essa formação como pauta obrigatória. 

Uma escola alinhada com a legislação passa a ser melhor vista pelos órgãos reguladores, por professores e comunidade escolar como um todo. Seguir o que os documentos e a legislação regem é manter a instituição de ensino dentro de um parâmetro comum a todos os espaços educacionais. 

A BNCC define, em suas 10 competências gerais, que a formação continuada deve ser baseada em três dimensões

  • Conhecimento: relacionada ao domínio dos conteúdos;
  • Prática: domínio em saber criar e gerenciar os ambientes de aprendizagem;
  • Engajamento: comprometimento do professor com a aprendizagem e com o ambiente de trabalho, com as famílias e com a comunidade escolar.

Quais os objetivos da formação continuada?

É inegável que as demandas da escola se transformam continuamente. Para que os educadores tenham condições pedagógicas de acompanhar o ritmo de aprendizagem dos alunos e todas as mudanças, a formação continuada  tem papel fundamental .

Através da capacitação dos professores, o processo de desenvolvimento e aprendizagem do profissional está sempre presente, refletindo no cotidiano da sala de aula. Dessa maneira, o objetivo da formação continuada é refletir e repensar sobre as práticas pedagógicas utilizadas, além de melhorar o processo de ensino e aprendizagem.

Um outro objetivo importante da formação continuada é, a partir das construções de conhecimento feitas, direcionar e trazer para a realidade os conhecimentos construídos no dia a dia da escola. 

O professor atualizado e em busca constante de novas práticas pedagógicas se torna um facilitador e um sujeito mais capaz de resolver os conflitos que possam surgir durante o ano letivo, auxiliando melhor colegas, pais, alunos e demais agentes escolares.

Benefícios da formação continuada

No momento em que o professor busca o seu aprimoramento, ele já coloca em pauta o exercício de novas práticas pedagógicas e, com isso, gera um novo e positivo sentido ao espaço escolar. 

O educador que procura evoluir e aprender por meio da formação continuada, beneficia a si e, certamente, reflete esses benefícios no aprendizado dos alunos, gerando por exemplo:

Maior engajamento 

Ao apresentar práticas diferentes e fugir da rotina, trazendo significação na proposta de ensino, os professores passam a ter alunos mais engajados em sala de aula. Afinal, o objetivo da capacitação de professores é trazer, também, ideias práticas para a sala de aula que façam sentido e envolvam os alunos.

Aulas mais didáticas e dinâmicas

Na troca de ideias e nos conteúdos da formação continuada, é de praxe surgir sugestões interessantes para incrementar o planejamento de aula. 

A reflexão sobre as práticas pedagógicas é um ponto fortemente defendido por estudiosos, pois a postura reflexiva do professor colabora para que as aulas sejam mais didáticas e dinâmicas, no sentido de pensar para quem, o que e como fazer.

Construção de novas estratégias

A partir da capacitação de professores, há espaço para abertura de outras possibilidades, como a construção de novas estratégias. 

Dessa maneira, o momento de aprendizagem em grupo pode apresentar novos caminhos pedagógicos, através de uma troca coletiva ou por intermédio de planos de aula elaborados, individualmente, após a formação.

Percepção apurada sobre as dificuldades de aprendizagem

Com mais ferramentas e recursos, o professor fica apto a auxiliar melhor seus alunos em momentos de crise. 

A formação continuada é um instrumento poderoso para agregar conhecimentos nesse aspecto, pois nem sempre todas as particularidades da aprendizagem que os estudantes possam apresentar são estudadas nos cursos de graduação, visto que novos entendimentos  e dúvidas sobre o assunto surgem continuamente.

Por que implementar a formação continuada na escola?

O professor que participa de formação continuada se sente mais apto a resolver as dúvidas de seus alunos.

Foi a partir da lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, que a formação continuada virou obrigatória nas escolas. Com o direito assim estabelecido, a lei valoriza e orienta a capacitação de professores nas instituições de ensino brasileiras, para que os professores construam conhecimentos  mais inerentes à sua graduação e que agregam no trabalho cotidiano nas escolas.

Além dos benefícios da formação continuada para escola, professores, currículos e alunos, ela está dentro das diretrizes escolares, por meio da BNCC, LDB, DCNS, por intermédio dos seguintes apontamentos:

DCN

Art. 9º A escola de qualidade social adota o estudante e a aprendizagem como centralidade, o que pressupõe atendimento aos seguintes requisitos: 

  • VIII – valorização dos profissionais da educação, com programa de formação continuada, critérios de acesso, permanência, remuneração compatível com a jornada de trabalho definida no projeto político-pedagógico.

Perceba que o artigo especifica que o estudante é o centro da aprendizagem, porém no próximo parágrafo vamos analisar a relação estabelecida com a formação continuada do educador.

LDB

Art. 62.  A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura plena, admitida, como formação mínima para o exercício do magistério na Educação Infantil e nos cinco primeiros anos do Ensino Fundamental, a oferecida em nível Médio, na modalidade normal.  ( Lei nº 13.415, de 2017).

  • 1º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios, em regime de colaboração, deverão promover a formação inicial, a continuada e a capacitação dos profissionais de magistério.  ( Lei nº 12.056, de 2009).

Além do DCN e da LDB é possível encontrar embasamento sobre a capacitação de professores no Plano Nacional de Educação (PNE).

Qual o papel da escola na formação continuada do professor?

A formação continuada não termina nunca, pois o docente precisa estar atento e informado sobre as novas práticas pedagógicas que surgem com as transformações sociais. Um exemplo prático é a implementação do uso das mídias digitais em sala de aula.

O papel que compete ao educador é participar com afinco dos momentos de construção de conhecimento, como um sujeito ativo e ciente da importância de estar, continuamente, ofertando um ensino melhor aos alunos.

Mesmo sendo uma obrigação da escola e secretarias de educação oferecer a formação continuada, o docente pode e deve buscar por si próprio agregar novos saberes à sua competência como profissional.

O objetivo é evoluir, buscar sugestões de práticas, ideias novas, teorias interessantes, estratégias, e contribuir com a própria experiência, uma vez que a meta é colocar dentro do planejamento e incorporar os conhecimentos adquiridos no cotidiano da sala de aula.

Formação continuada SAS

O SAS Educação oferece acompanhamento pedagógico completo às escolas parceiras, assegurando eficiência na utilização dos produtos e serviços, bem como nos diversos aspectos relacionados ao desenvolvimento das instituições de ensino.

Dentro desse contexto, a formação continuada é um dos eixos do acompanhamento pedagógico do SAS.

Como funciona?

A formação continuada é fundamental para ampliar e manter a qualidade do ensino ofertado nas escolas

Por isso, os cursos do FOCOS, programa do SAS voltado à formação contínua dos professores das nossas escolas parceiras, poderão trabalhar nas dores específicas do profissional, por  meio de ferramentas atualizadas, como vídeoaulas, e-books, assessoria pedagógica, seminários e congressos ao longo do ano, para aprofundar mais ainda a construção de novos saberes. Fique por dentro!

Gostou de saber mais sobre capacitação de professores, suas leis e importância? Clique na imagem abaixo e fale com um de nossos consultores!