Como fazer um planejamento participativo na escola?

setembro | 2020

A Constituição e a Lei de Diretrizes e Bases aponta, como uma das proposições, a participação dos gestores educacionais para a formação de comunidades coesas e comprometidas com uma educação de qualidade. Mas, como transformar esta demanda em realidade?

É essencial que as escolas busquem, a partir de um direcionamento eficiente, desenvolver uma cultura colaborativa de superação das dificuldades no processo da educação. O planejamento participativo, orientado pelo gestor, é mais um meio que poderá contribuir para esse desenvolvimento.

Sendo assim, elaborar um planejamento participativo, que tenha como foco ações efetivas para se alcançar os resultados esperados, é um dos primeiros passos a ser dado pelo gestor escolar. 

Portanto, para saber como realizar esse modelo de planejamento continue com a leitura desse artigo!

O que é planejamento participativo?

O planejamento participativo tem como objetivo estruturar ações de foco pedagógico que levem em conta a multiplicidade dos diversos pontos de vista. Ele só só será considerado participativo se houver coerência e harmonia entre aquilo que se propõe (teoria), as ações (prática) e o trabalho conjunto das partes interessadas nos momentos oportunos.

Ao buscar alternativas que estimulem o processo de aprendizagem, o gestor educacional encontra no planejamento participativo um caminho plausível para chegar onde deseja.

Metodologia

Uma metodologia que pode auxiliar na implementação das ideias é o “ciclo de projetos”, uma vez que ao estabelecer um ciclo de projetos com fases contínuas – como na figura abaixo – a tendência é que o processo se retroalimente de informações e resultados gerados a cada ciclo

Desta forma, você terá insights que sigam o roteiro estabelecido no planejamento participativo anterior, por exemplo, além de resultados mais assertivos e seguros.

Como funciona ?

Para que o “ciclo de projetos” seja efetivo dentro do planejamento participativo, é preciso entender quais os seus passos. Por isso, conheça-os agora:

O primeiro passo é a identificação dos desafios que devem ser priorizados, assim como quais objetivos a escola quer atingir. Isto significa levantar as necessidades e/ou oportunidades. 

O próximo passo é a formulação, que define qual a situação problema e quão longe a escola está de onde quer chegar. Estando claro onde se quer chegar é hora de avaliar e concluir, determinando ações, responsáveis e prazos para tornar a distância do “atual x desejado” mais curta. 

Apenas planejar não é o suficiente para alcançar os resultados, portanto a próxima etapa é monitorar e implementar o cumprimento das etapas estabelecidas.  Como um processo de melhoria contínua, o ciclo de projetos deve ser examinado e compromissado com um prazo estabelecido, observando os resultados atingidos em cada proposição. 

A avaliação deve ser bastante criteriosa e se necessário novas ações devem ser propostas. 

Por meio do trabalho coletivo, onde todos são convidados a usar da criatividade, integração e envolvimento, cria-se maior entendimento dos problemas, amplitude na tratativa das soluções e comprometimento nas decisões tomadas. 

Quais os benefícios desse planejamento?

O planejamento participativo é implementado a fim de otimizar os resultados escolares como um todo, seja no desenvolvimento do aluno ou na gestão de professores.

A sociedade traz grandes expectativas sobre o papel da escola, esperando que ela possa, efetivamente, contribuir e conduzir os alunos para uma prática cidadã e uma formação integral. 

Tendo como foco este entendimento e o planejamento participativo, juntamente com o apoio dos envolvidos na vida escolar como pais, alunos, docentes e colaboradores, será possível trazer inúmeros benefícios à instituição. 

O primeiro deles é a identificação e o levantamento de critérios coletivos por meio de argumentações e discursos trazidos pelos participantes. Os diferentes pontos de vista são fundamentais para a construção de um trabalho rico, completo e que contemple o entendimento aprofundado da realidade escolar.

Dar às pessoas a oportunidade de expor e controlar seu próprio trabalho, orientado pelas ações estabelecidas no planejamento participativo,  gera o sentimento de pertencimento. Sendo assim, o coletivo supera o individual para promover a construção da competência centrada na unidade escolar como um todo. 

O entendimento de como uma instituição educacional funciona, suas dificuldades,  responsabilidades no dia a dia e a empatia de se colocar no lugar do outro são ganhos deste processo, gerando compreensão e colaboração mútua.

Como implementá-lo na sua escola ? 

Vimos que o planejamento participativo possibilita o compartilhamento de ideias, opiniões e visões diferenciadas, ampliando as perspectivas e o entendimento sobre os pontos que devem ser trabalhados, oportunizando a transformação e um melhor ambiente de trabalho.

Torna-se assim essencial que pais, alunos e todos os envolvidos no ambiente escolar participem do processo, articulando teoria e prática. Nesse processo as pessoas envolvidas decidem, discutem, refletem e questionam.

Sendo assim, veja agora como implementar o planejamento participativo na sua escola.

Fases do planejamento participativo na instituição

Há três fases bem definidas:

  1. Preparação do plano escolar
  2. Acompanhamento 
  3. Revisão

Preparação do plano escolar

Essa é a fase que demanda mais tempo e atenção dentro do planejamento participativo. A preparação prevê que antes de estabelecer ações é preciso entender quais os problemas que devem ser tratados e precisam ser limitados dentro do âmbito escolar, sendo expressos de forma clara e objetiva.

Alguns elementos que ajudam na tomada de decisões, são: 

Acompanhamento da execução de operações pensadas no plano escolar 

O acompanhamento periódico do planejamento participativo é fundamental para que ele não caia no esquecimento e se torne apenas um documento “sem vida”. 

Como todo processo coletivo, há possibilidade de alguns erros, como a falta de clareza dos objetivos para alguns integrantes, o que dificulta a maneira de lidar com os problemas que surgem durante a execução das ações.

O gestor escolar deve assumir o papel de um “dono” do projeto, sendo a pessoa de referência e de apoio para o caso de dúvidas. Ou seja, aquele com quem todos os envolvidos podem contar.

A revisão de todo o processo

Finalizado o período, normalmente de um ano letivo, o processo deve passar por uma revisão. Realizando o levantamento dos indicadores:

E com isso, entender quais os fatores internos e externos que impactaram no sucesso do planejamento participativo, dando a todos a oportunidade de refletir sobre o sucesso do plano. Neste momento é possível estabelecer novos critérios e instrumentos de análise para o futuro

Portanto, a construção de uma cultura na escola capaz de conduzir o processo de planejamento participativo deve ser coletiva, onde é possível trazer resultados para toda a comunidade escolar e fazer com todos se comprometam e se responsabilizem pela decisão.

Agora que você já sabe sobre planejamento participativo, é só colocar em prática. Para ficar ainda mais por dentro das ações de uma gestão pedagógica é só ler o nosso conteúdo no blog!

Quer saber como o SAS pode ajudar sua escola na missão de transformar pessoas por meio da Educação de Excelência? Clique aqui e fale com nosso time de consultores. 

Categorias:

Autor do artigo