Atualizado em novembro | 2020 por SAS

A liderança pedagógica tem sido, desde a década de 1990, um tema bastante presente se pensarmos nas estruturas de gestão das escolas e na organização das instituições de ensino. Muitas vezes, nos deparamos com o receio de falar sobre Liderança dentro da escola, mas, também, é preciso ter em mente que liderar vai muito além de somente estar à frente de todos os processos educativos. 

Para iniciarmos as reflexões sobre Liderança, precisamos rememorar o conceito e o impacto das ações vindas da sua aplicabilidade. Heloísa Lück traz, em seu livro “Liderança em Gestão escolar”, a seguinte definição para Liderança: 

“Podemos, pois, a partir desses componentes, conceituar liderança como sendo o processo de influência, realizado no âmbito da gestão de pessoas e de processos sociais, no sentido de mobilização de seu talento e esforços, orientado por uma visão clara e abrangente da organização em que se situa e de objetivos que deva realizar, com a perspectiva da melhoria contínua da própria organização, de seus processos e das pessoas envolvidas.” (LÜCK, 2014, p. 35) 

Liderar é um desafio a mais, diante dos outros pontos de atenção encontrados no ambiente escolar. É preciso compreender que a ideia de que a liderança deve ser praticada somente pelo diretor da instituição não constitui uma verdade absoluta. Precisamos pensar na escola como um lugar com vários papéis. Uma gestão participativa e compartilhada auxilia a organização da responsabilidade de mobilização de talentos e esforços e traz, assim, resultados mais efetivos por meio de ações eficazes no desenvolvimento da instituição. Trazer sentido ao que fazemos nos ajuda a ressignificar o que costumamos executar e impulsiona o aprimoramento de nossas ações.  

Para uma liderança pedagógica eficaz é necessário uma gestão participativa e compartilhada com os demais agentes da escola.

Necessitamos entender também, enquanto lideranças, que as ações a serem realizadas precisarão ser orientadas com clareza e com objetivos bem definidos, para que tenhamos melhores resultados. Partindo dessa premissa – clareza de comunicação – é preciso encarar os desafios com base em um ponto fundamental: o desenvolvimento das pessoas que compõem e realizam o fazer de cada escola. 

Nelson Mandela (1918-2013) foi um dos líderes mais inspiradores da história mundial. Sua luta pacífica contra o apartheid (regime de separatismo racial) o fez ganhar o Prêmio Nobel da paz em 1993 e trouxe ao mundo muitas reflexões sobre o real significado de ser líder

Uma delas é que o líder precisa saber dar autonomia para que as pessoas assumam suas próprias responsabilidades. Mesmo durante os 27 anos em que ficou recluso (desde 1964), várias ações continuavam sendo realizadas no enfrentamento ao racismo, tendo como inspiração os ideais de Mandela. Influenciadas pelo grande líder sul-africano, as pessoas perceberam que deveriam ultrapassar qualquer dependência de um único protagonista, compartilhando ações para a realização dos objetivos comuns. O discurso de Mandela, proferido em 25 de abril de 1998, evidencia: 

“O que vale na vida não é o simples fato de termos vivido. É a diferença que fazemos na vida de outras pessoas que irá determinar o significado da vida que levamos.”  

Trazendo para o contexto escolar, é fundamental entender que a inspiração dos nossos alunos será muito estimulada pelas ações desenvolvidas dentro da escola pelos agentes escolares. É por isso que professores, coordenadores e diretores/gestores devem evidenciar seus papéis de lideranças pedagógicas, pois têm um genuíno papel de inspiração diária com suas palavras e ações.  

Pensar que a presença de autênticas lideranças pedagógicas faz com que a instituição dê um salto de qualidade, através de mudanças em suas práticas, gera sempre a esperança de aprendizagens significativas que fomentam a formação integral de nossos alunos. Afinal, é necessário lembrar que o ser humano já nasce com a predisposição de liderar e devemos, enquanto instituição de ensino, auxiliar no desenvolvimento dessas habilidades, agindo como catalisadores dos processos de aprendizagem desses sujeitos.  

Sendo assim, o desenvolvimento de algumas competências é capaz de ajudar no fortalecimento da liderança pedagógica:  

  • Exercitar o autoconhecimento de suas forças e fraquezas, a fim de melhorar todos os dias; 
  • Desenvolver competências para resolução de problemas e mediação de conflitos; 
  • Desenvolver habilidades de comunicação; 
  • Trabalhar o desenvolvimento da equipe; 
  • Reconhecer-se como agente de mudança dentro do âmbito escolar. 

Em uma palestra feita por Mario Sergio Cortella, em maio de 2018, ele diz que a chefia ordena, a liderança inspira e motiva”. Que sejamos todos líderes e que possamos sempre melhorar a educação do país, buscando trabalhar uma formação integral em nossas escolas e desenvolvendo pessoas para a melhoria da qualidade do ensino. 

Ficou curioso para saber como o SAS e suas ferramentas podem contribuir com a sua escola, nesta e em outras questões?  Clique aqui

*Este artigo é de autoria de Carla Gabriella Barreto Freire – Consultora Pedagógica no SAS Plataforma de Educação