Atualizado em 28 de junho | 2021 por SAS

Em série especial sobre a 1ª edição do Prêmio Escolas que Inspiram, especialistas do SAS e convidados se reúnem no SAS Cast para debater a importância de projetos voltados para práticas pedagógicas na escola.

Ao logo dos anos, as escolas precisaram se reinventar para se adequar às novas gerações de alunos. Mudar a forma e a estratégia de ensinar buscando atrair a atenção dos estudantes, apesar de ter bons resultados, exige bastante dedicação e planejamento por parte da escola, que precisa, cada vez mais, compreender a importância de projetos voltados para práticas pedagógicas. 

Entendendo a dificuldade comum das escolas quando o assunto é planejamento, o Prêmio Escolas que Inspiram do SAS homenageou escolas que realizaram projetos inspiradores na área pedagógica. Para falar sobre o tema, o SAS Cast recebeu a Edilaine Barros, consultora pedagógica do SAS, para conversar com a Glaudionora Silveira, diretora pedagógica do colégio Diocesano de Santa Luzia em Mossoró no Rio Grande do Norte, uma das escolas ganhadoras do prêmio. Durante o papo, a escola apresentou o projeto ganhador, trazendo dicas e boas práticas para as escolas.   

Glaudionara conta que o projeto surgiu a partir de encontros pedagógicos realizados entre professores e coordenadores, que ocorreram ao final de cada ano, momento quando normalmente se autoavaliam e refletem sobre o que precisa ser feito para melhorar o ensino da escola. Em 2018, em um destes encontros, os professores perceberam que matemática ainda era vista como uma matéria pouco concreta e envolvente, o que não prendia a atenção do aluno. 

Visando solucionar a situação, os docentes decidiram trazer a matemática para o cotidiano do aluno, de forma que eles pudessem vivenciar a matemática. Dessa forma, a matemática saiu da sala de aula e passou a ocupar outros espaços na escola, como aprender sobre perímetros na quadra da instituição. O objetivo da iniciativa era mostrar que a matéria não é apenas fórmulas, mas um conhecimento útil para toda vida e extremamente interdisciplinar. 

Além disso, o projeto foi aplicado desde a Educação Infantil, quando o aluno entra em contato com a matéria inicialmente, até a 3ª série do Ensino Médio. Tal medida foi feita com o intuito de gerar encantamento pela matemática em toda a fase escolar. Outro fator que enriqueceu fortemente o projeto “Diomathema” foram as monitorias, que conseguiam sanar as dúvidas dos alunos rapidamente, evitando prejudicar seus aprendizados futuros. 

De acordo com a diretora pedagógica, um dos fatores que ela considera essencial para o projeto ter obtido sucesso foi a participação em massa de todos os professores da disciplina. Para isso, foi de extrema importância que eles participassem da criação do projeto, uma vez que o corpo docente conhece as dores dos alunos melhor do que que ninguém, por estar em constante contato com eles 

Para finalizar, Glaudionara conta que além da aproximação dos estudantes com a matemática, o projeto gerou outros resultados importantes, como a troca entre os professores de todos os segmentos da disciplina, desde os docentes do Infantil e Fundamental, até o Ensino Médio, o que agregou ainda mais valor para a escola como um todo. 

Para saber mais sobre o Prêmio Escolas que Inspiram e outras iniciativas do SAS que podem ajudar sua escola a desenvolver projetos de Excelência em Educação, clique no banner abaixo e fale com um dos nossos consultores de plantão.