Atualizado em 21 de janeiro | 2021 por SAS

Sabe-se que, neste mundo tão volátil e desafiador, o aluno do Ensino Médio tem se tornado cada vez mais protagonista e autônomo no seu processo de ensino e aprendizagem. E, quando falamos de Projeto de Vida, é importante ressaltar que este é um fator essencial, pois o estudante deve estar no centro da construção da sua aprendizagem, sendo o real protagonista. Porém, mesmo o aluno sendo peça-chave nesta jornada, a participação da família na construção do Projeto de Vida não pode ser desconsiderada. 

Isso porque o Projeto de Vida é algo fundamental para os estudantes, que precisam desenvolver, durante a fase escolar, habilidades necessárias para projetar o seu futuro ao longo de toda a vida; perceber a importância da relação com o outro no seu desenvolvimento; vislumbrar possibilidades; transformar sonhos em objetivos e traçar planos para alcançá-los; e entender esse processo como um potente recurso para gerenciar as incertezas do futuro

Porém, sabemos que esse processo não é fácil, já que o estudante do Ensino Médio está numa fase de sua vida repleta de desafios e ansiedades. Então, para que ele consiga alcançar suas expectativas será preciso muito suporte.  Nesse sentido, o apoio da escola e da família são primordiais para trazer clareza e direcionamento para estes estudantes, até mesmo, para que eles não se desmotivem ao longo do processo.  

Nesse sentido, vale relembrar que a escola precisa

1) Estabelecer uma conexão com o núcleo familiar: 

A aliança entre os alunos, escola e família, andando lado a lado, é o que pode garantir o êxito da construção do Projeto de Vida. É extremamente necessário que a escola crie laços mais fortes com a família dos estudantes, uma verdadeira parceria, pois ambas têm uma missão em comum: auxiliar a formação integral do aluno

A escola deve se conectar com a família na construção do Projeto de Vida do aluno, no estímulo à reflexão sobre o campo de possibilidades e na identificação de diferentes estilos de vida baseados em escolhas livres e responsáveis, em função de seus contextos socioeconômicos e culturais. 

2) Desenvolver planos de ação: 

Promover a reflexão e a construção de projetos de vida significa oferecer ferramentas e recursos para que os jovens transformem suas aspirações em objetivos concretos e alinhados aos seus propósitos. Um desses recursos é a elaboração de um plano de ação que, baseando-se nesses objetivos, estabelece metas com prazos claros e viáveis, assim como estratégias para realizá-los.  

Cada vez mais, um dos grandes desafios das escolas que atendem jovens estudantes é estarem comprometidas com sua educação integral, ajudando-os nesse processo, para que, assim, possam atender às necessidades de formação geral, tão indispensável ao exercício da cidadania e à inserção no mundo do trabalho. 

3) Conhecer o que diz a BNCC: 

As diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Médio, tal como nos segmentos anteriores, propõe um trabalho em que os componentes curriculares apresentem os conteúdos e desenvolvam os conhecimentos, visando sua aplicação na vida real. O documento ressalta a importância do contexto para dar sentido ao que se aprende e ao protagonismo do jovem em seu processo de aprendizagem, bem como na construção de seu Projeto de Vida. Ou seja: um planejamento feito para atingir um conjunto de objetivos pessoais, que contribuirão para um melhor entendimento das perspectivas profissionais e, consequentemente, para a inserção social e atuação ética dos jovens.  

Em essência, há um grande ganho para o jovem atuar de forma responsável na sociedade, à medida em que o que ele aprende na escola, o conhecimento cognitivo, torna-se útil, não só para “aprovar” o ciclo do Ensino Médio e alcançar o Ensino Superior, mas para gerar sentido, valor e significado à sua própria existência.  

A partir desses passos e no desenvolvimento dessa jornada, surgirão dúvidas e mudanças de percurso por parte dos jovens.  E é aí que a participação da família na construção do Projeto de Vida do aluno se torna ainda mais imprescindível, uma vez que é fundamental que o estudante possa trocar ideias e compartilhar seus anseios com pessoas próximas, a fim de realizar escolhas e tomar decisões sobre suas vidas de forma um pouco mais segura e assertiva. 

No entanto, essa participação pode ser desafiadora. Afinal, o objetivo é que o próprio jovem possa definir sua jornada, cabendo à família um papel menos incisivo e impositivo na tomada de decisão do aluno, que deve ocorrer de maneira conjunta, trazendo inspirações, descobertas e possibilidades. A palavra de ordem aqui é estimular

Um outro ponto de atenção é que, muitas vezes, a participação da família diminui ao longo da vida estudantil do aluno, uma vez que, no Ensino Médio, os familiares percebem uma autonomia maior dos jovens, se afastando de sua rotina escolar. Sem contar no fato de que os jovens também, muitas vezes, podem assumir uma postura de distanciamento da família. É preciso, portanto, criar um entendimento que os estudantes têm autonomia e protagonismo sim, mas precisam de suporte para conversar e tomar suas decisões.  

Embora sejam os reais protagonistas do processo, os alunos do Ensino Médio precisam do apoio e participação da família na construção do Projeto de Vida.

Não há receita de bolo pronta em como a família deve agir neste auxílio, mas um caminho ideal é o diálogo. A família não nasce pronta, ela se desenvolve junto com os seus filhos, e ela também precisa de uma orientação. Portanto, uma boa dica é a escola trazer essa família para conversar sobre esses pontos, promovendo encontros com as elas e os estudantes, para tratar da elaboração do Projeto de Vida.   

Projeto de Vida SAS  

A inclusão dos familiares na agenda escolar aumenta o engajamento e o fortalecimento da identidade dos jovens, o que é essencial na fase de tomada de decisões em que vivem. E é por isso que, na proposta do Projeto de Vida SAS, pensamos em formas da escola manter a família sempre atualizada e consciente do processo de evolução dos seus filhos, por meio de materiais desenvolvidos para criar um ambiente de diálogo e construção.  

Para o SAS, o Projeto de Vida é sim uma jornada de autoconhecimento e protagonismo estudantil, onde os objetivos principais são orientar cada aluno na construção de sua identidade e na busca de seu papel como cidadão e profissional.  

Com o PROJET, solução digital em formato de aplicativo, e Estratégias de Estudo e Aprendizagem, a escola pode dialogar com o jovem a partir do seu momento atual e construir habilidades importantes para seu pleno desenvolvimento. 

Ficou curioso para saber como o Projeto de Vida SAS pode contribuir na preparação de seus alunos para a vida? Inscreva-se agora no curso de Formação em Projeto de Vida do FOCOS, exclusivo para nossas escolas parceiras. Procure seu consultor pedagógico para saber mais! 

 Se você não é uma escola parceira e quer conhecer melhor a nossa plataforma, entre em contato com um de nossos consultores.   

Você também pode aprofundar seus conhecimentos sobre o Novo Ensino Médio e o Projeto de Vida SAS com o SAS Cast. Confira, na íntegra, o episódio “A participação da família na construção do Projeto de Vida”, disponível gratuitamente no Spotify e no SoundCloud

Tatiany Araújo Bezerra Lobo

Graduada em Direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), já atuou como professora de Matemática do Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio e, hoje, é integradora Pedagógica no SAS Plataforma de Educação.